.comment-link {margin-left:.6em;}

Tuesday, October 25, 2005

 

Mitologia ideológica

A propósito da 'nova' esquerda e dos neo-malthusianos:

O neo-malthusianismo é desde há muito um ponto de encontro entre a 'nova' esquerda (neo-marxismo) e o pensamento politicamente correcto. Percebe-se: quer uma quer outra teoria possuem o enquadramento lógico e cientifico qb. para agradar à mente da maioria dos intelectuais, sem necessidade de raciocínios muito complexos. São boas teorias cientificas - aliás seria difícil explicar o seu enorme sucesso se não o fossem - porque apresentam explicações simples, ao alcance intelectual de qualquer um, para factos complexos. São também boas teorias cientificas porque podem ser confirmadas ou refutadas.

Como ambas foram - e continuam a ser - refutadas pelos factos, poderia parecer estranha a sua continuada popularidade. Não deve no entanto ser esquecida a permanencia dos paradigmas: quando a física newtoniana foi destronada pela relatividade mesmo especialistas nesta última, como Eddington, recusaram-se a aceitar a consequente inevitabilidade de singularidades resultantes de colapsos gravitacionais (popularmente, buracos negros). E como uma desgraça nunca vem só, mesmo Einstein se recusou a aceitar que 'deus jogasse aos dados com o universo' na sua luta inglória contra a mecânica quântica.

Quando a 'nova' esquerda colocou o seu pensamento no mainstream, tornou-se automaticamente numa força conservadora, a lutar desesperadamente para manter a supremacia dos seus ideais, quer contra novos paradigmas, quer contra paradigmas passados. Nesta luta desesperada - e desesperada porque o 'mercado' das ideias, como qualquer outro, evolui - a 'nova' esquerda arranjou estranhos companheiros de cama. Na verdade, é a vida: também os velhos paradigmas, nas suas pretéritas lutas pelo topo do pau ensebado, tiveram estranhos aliados.

Isso leva-nos a 1970, ao Clube de Roma e ao crescimento zero, às delicias da 'nova' esquerda no seu namoro com o neo-malthusianismo. Aliás, para muita 'nova' esquerda qualquer aliado é bom, desde que seja anti-capitalista. Já estão esquecidos dos avôzinhos Rosa Luxemburgo e Karl Marx. É talvez esse o motivo porque tantos bucólicos, na verdade saudosos do ancién régime, andam de braço dado com neo-(e não tão neo)-marxistas.

Comments: Post a Comment

Links to this post:

Create a Link



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?